sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Oportunidades...(1)


Hoje volto a falar um pouco, sobre o meu ponto de vista com relação à importância do autoconhecimento.

No Universo tudo é movimento, portanto, querendo ou não, nós estamos mudando o tempo todo (tanto por dentro como por fora), "o que eu acho maravilhoso!".

Essa realidade não deixa dúvidas da importância de “nos conhecermos” um pouquinho mais a cada novo dia.

Todos nós temos o livre-arbítrio para optarmos “encarar” os acontecimentos do nosso dia-a-dia, de uma forma positiva ou negativa.

Quando realmente nos propomos a conhecer o nosso “Mundo Interior”, aprendemos a agir com mais discernimento e começamos a “lidar” melhor conosco mesmos e com tudo o que nos rodeia.

Dessa forma as nossas escolhas passam a ser mais positivas que negativas.

Sendo que nada é estático no Universo, temos a Dádiva...sim a Dádiva, de “experimentar” coisas novas o tempo todo.

E você? Como costuma “encarar” os seus desafios diários?
Que a partir de 2009, você Se Permita ser "abraçado (a)" pelo Otimismo, pelo Amor e pela, sempre que novas situações (experiências) ocorrerem em sua vida.
Esteja certo de que são oportunidades que chegam até nós, para nos enriquecer a alma.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Minha mensagem para você!


Este cartão já foi enviado para todos os meus amigos, familiares e contatos, mas fiz questão de postar neste Blog, porque também desejo o mesmo a todos que por aqui passarem.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Acreditando, Querendo e Agindo...

Após um longo período sem sair para lugares cheios (de muito movimento), ontem fui a um shopping em Campinas (+/- uns 30~40 minutos de carro de Atibaia).

Pode parecer algo simples demais, não é mesmo? Mas saiba que para mim foi mais uma grande conquista alcançada, já que até a pouco tempo atrás era um tanto impensável me “arriscar” em sair de casa para ir a lugares muito movimentados (principalmente barulhentos) e com muitas pessoas falando ao mesmo tempo.

Nessas condições eu ficava bastante “atordoada” (em meio as “sequelas” que tive em 1998, a perda total da audição do meu ouvido esquerdo foi uma delas) e também me cansava muito facilmente a qualquer esforço físico, enfim... eu tinha razões de sobra para evitar esses tipos de locais.

Sabe... o fato de ir ao shopping ontem, na verdade foi mais um teste que fiz comigo mesma, ou seja, por sentir uma necessidade de saber até que ponto eu realmente tinha melhorado, eu precisava “me sentir” em um ambiente assim, entende?

Pois bem, como uma amiga tinha se oferecido em me levar (ir comigo), e aproveitando que eu precisava fazer umas “comprinhas” não pensei duas vezes, peguei a minha cadeira de rodas e...”pé na estrada”...lá fomos nós...

O teste não podia ter sido feito em um lugar melhor, pois o shopping estava lotadíssimo, e para a minha alegria percebi de uma maneira muito nítida que estou conseguindo... “selecionar melhor os sons”, o que não me deixa mais “atordoada” como antes.

Superar limites (seja qual for) é algo maravilhoso, um sentimento de satisfação único... indizível...

Pode estar certo(a) de que você também pode conquistar este sentimento SIM...ACREDITANDO, QUERENDO e AGINDO sempre!

domingo, 7 de dezembro de 2008

É Preciso SABER Viver!

Os vídeos que tenho postado, são verdadeiros exemplos de vida, que nos confirmam a veracidade da frase: Deus nunca nos dá um fardo maior do que podemos carregar.

ACREDITANDO (nos conscientizando d...) na nossa CAPACIDADE e nos nossos POTENCIAIS, aprenderemos a viver com certa sabedoria, transformando as nossas deficiências em EFICIÊNCIAS (sejam elas físicas ou não).

Com essa “tomada de consciência”, o que antes poderia ser um motivo de lamentação, passa a ser motivo de gratidão.

Viver por viver” é bem diferente de “SABER viver bem” uma vida...

Há quem acredite que saber viver bem se resume ao verbo TER.
Certamente para TER, primeiro precisamos SER.

E para você, "saber viver bem" é?

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Depoimento - Cristiane Ishibashi (amiga)

"Quando conheci a Marisa em Julho/1996, meu primeiro pensamento foi: “Nossa, que delicada, com aquela fala mansa parece até de vidro! Se tocar acho que quebra...” Uma moça linda, simpática e muito meiga.

A notícia foi uma bomba! Nos abalou profundamente e a maior preocupação era: “como ela vai enfrentar?, tão frágil, tão delicada”.

Lembro-me de uma conversa logo após os exames e a Má me perguntando: “o que você acha Cris, devo operar?” o que a gente responde? Só consegui fazer outra pergunta, “o que seu coração está te dizendo Má?”, “Que se tem alguma chance devo acreditar... e tentar”. “Então confia!!”


E a reviravolta foi dada... Surgiu uma Marisa de Força e Fé. Tudo foi marcado muito rápido, porém, a recuperação... longe do que poderíamos imaginar.

O processo foi bravo... Quadro instável, sem melhoras, alguns procedimentos os quais não entendíamos. Lembro-me de um dos mais chocantes para nós. Depois de tanto tempo ainda foi preciso uma traqueotomia.

Quando ela vai melhorar? Nenhuma resposta precisa. A gente sabe que é assim, mas quando estamos vivendo aquela rotina parece que ficamos ignorantes e só queremos respostas exatas – quanto tempo, para que, o que vai resolver...

Foram muitos dias de agonia e sem dúvida este tempo foi de aprendizado para nós e de gestação para uma nova Marisa.

Findos tantos dias de UTI, enfim liberada para o quarto, e agora uma nova batalha. O corpo precisa recuperar um pouco do que perdeu, ganhar resistência para enfrentar o mundo lá fora.

Quando Marisa teve alta, saiu sorrindo, aliviada e nós também. Depois de prognósticos tão pesados, a CORAGEM e a FÉ foram mais poderosas do que a expectativa da medicina.

Hoje a Marisa que conheço é forte, sua fala e tom de voz são firmes. O coração continua doce, mas hoje eu digo que ela não parece mais que é de vidro, mas de CRISTAL LAPIDADO com muito cuidado e carinho, mais resistente, com várias facetas e um BRILHO EXTRAORDINÁRIO!!!"

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Como "anda" a sua RESPIRAÇÃO?

Quando eu tive a alta do hospital em 1998, a “parte respiratória” do meu corpo, também havia ficado bastante alterada. Minha respiração estava muito “curta e rasa", eu não conseguia ter fôlego para nada.

Literalmente eu Re-aprendi a respirar.

 Existem 3 formas de respiração:

  • Toráxica ou de peito – a caixa toráxica é impulsionada para fora;
  • Clavicular ou de ombro – os ombros são levados para cima;
  • Respiração Diafragmática – o assoalho muscular da cavidade peitoral é impulsionado para baixo; Esse método é o mais saudável. Por causa da gravidade, a distribuição de sangue nos pulmões favorece as áreas mais baixas. O ar é levado a essas áreas misturando de forma eficiente sangue e oxigênio.

Quando nascemos a nossa respiração é diafragmática, porém na medida que ficamos adultos (muitas vezes inconscientemente) vamos mudando essa forma original de respirar.

Rasa e curta ou longa e profunda? Você já "parou" um minuto para reparar (pensar) de que forma você respira?

A forma que re-aprendi e respiro é a "Respiração Diafragmática".

Respirar profundamente, me fortalece interiormente.

A profundidade da respiração afeta a intensidade dos sentimentos”.  (Alexander Lowen)

A respiração está diretamente relacionada, de modo muito estratégico, ao funcionamento do órgãos internos, às emoções e à mente”. (Dr. Rudolph Ballentine, Institute Himalaiano)

A alma é ar, o ar se move e é consciente. O ar que respiramos nos dá a alma, a vida e a consciência”. (Aristóteles)

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Novas Conquistas...

Pois é...como eu já havia adiantado a novidade na postagem do dia 17/11 ...agora estou com o “meu possante” (cadeira de rodas).

Hoje quero lhe contar um pouco dessa minha “nova fase”. O que estou sentindo, como estou encarando esse mundo novo, enfim...

Estou me sentindo muito feliz e a minha forma de “encarar" esse mundo novo, é com muita naturalidade e gratidão.

Não me importo que me olhem de cima (risos), o que me importa é que estando na cadeira de rodas para me locomover, tenho “visão” das coisas ao meu redor, porque não tenho mais a preocupação de “me equilibrar” como antes.

Agora quando saio me sinto “leve e solta”...(risos)

Lembrando..."eu só uso a cadeira para sair e não em casa".
A verdade é que a mobilidade que a cadeira de rodas me proporciona, é tudo de bom.

Tudo isso é resultado de mais um “degrauzinho” conquistado na minha reabilitação.
Mas é importante ressaltar...degrau esse, cheio de possibilidades POSITIVAS.


Estreei minha cadeira de rodas indo ao "VI Festival Internacional de Imagem Fotográfica de Atibaia", e ir até lá foi um presente que meus queridos amigos Jonny e Tina me proporcionaram.

Afinal, uma foto minha (a que está nesta postagem), está entre as 146 fotos selecionadas desse Festival e exposta no Centro de Convensões de Atibaia... isso não é ma-ra-vi-lho-so? (sou uma "recém nascida fotógrafa amadora"). (risos)

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Fazer uma Interpretação Positiva faz toda a diferença!

O vídeo de Thomas Edison (postado dia 19/11), é um exemplo “real e concreto” de que tudo depende da interpretação que damos às diversas situações que nos envolvem no decorrer da nossa vida.

Existe um velho ditado muito conhecido, você até já deve ter ouvido, que diz: “Deus nunca nos dá um fardo maior do que podemos carregar”, portanto, jamais duvide que “você sempre será, maior e mais forte do que qualquer problema”.

Não se esqueça de que você carrega dentro de si um GRANDE POTENCIAL.

Seguindo o exemplo de Thomas Edison, faço apenas interpretações positivas em relação a tudo o que aconteceu e acontece na minha vida.

A realidade é que a “Vida é muito Simples, nós é que a complicamos...”

Para que possamos nos conscientizar dessa verdade (A Simplicidade da Vida), necessário se faz o autoconhecimento.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Dia Nacional da Consciência Negra.

Esta data foi estabelecida pelo projeto lei número 10.639, no dia 9 de janeiro de 2003. Foi escolhida a data de 20 de novembro, pois foi neste dia, no ano de 1695, que morreu Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares.

Tal homenagem se deve ao fato de que Zumbi dos Palmares representa a luta do negro contra a escravidão, no período do Brasil Colonial. Ele morreu em combate, defendendo seu povo e sua comunidade. Os quilombos representavam uma resistência ao sistema escravista e também um forma coletiva de manutenção da cultura africana aqui no Brasil.

A criação desta data foi importante, pois serve como um momento de conscientização e reflexão sobre a importância da cultura e do povo africano na formação da cultura nacional. Os negros africanos colaboraram muito, durante nossa história, nos aspectos políticos, sociais, gastronômicos e religiosos de nosso país. 

(Fonte: www.diariodeumaprofessorinha.blogspot.com)

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Tenha Tempo para Tudo! (Aprenda a Gerenciar)

Reserve tempo para RIR,
é esta a música da alma;

Reserve tempo para LER,
é esta a base da sabedoria;

Reserve tempo para PENSAR,
é esta a fonte do poder;

Reserve tempo para TRABALHAR,
é este o preço do êxito;

Reserve tempo para DIVERTIR-SE,
é este o segredo da juventude eterna;

Reserve tempo para SER AMIGO,
é este o caminho da felicidade;

Reserve tempo para AMAR e SER AMADO,
é este o privilégio dos Deuses;

Reserve tempo para SONHAR,
é este o meio de se ligar ao Divino;

Reserve tempo para SER ÚTIL AOS OUTROS,
esta vida é demasiada curta para que sejamos egoístas;

"A gente não perde tempo na vida, na verdade o que se perde é a vida, ao perder-se tempo!"

(Autor Desconhecido)

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Razões para "Viver com Alegria!"


Quando digo que "por causa da minha falta de equilíbrio levo alguns tombos de vez em quando", pode ser que haja quem se questione...

Mas por que será que ela não usa cadeira de rodas?”

Então aqui vai a resposta:

Acredito que quando existe alguma possibilidade de mudar ou melhorar, jamais devemos nem deveríamos nos acostumar ou acomodar, seja em quaisquer situações que a "Vida" nos presente.

Se desde o início eu apenas pensasse no medo ou no receio de cair (levar tombos) dentro de casa, e por causa disso simplesmente me acomodasse a uma cadeira de rodas, eu mesma estaria pondo maiores limitações para mim mesma.

E com certeza eu não teria conseguido desenvolver as “habilidades” que desenvolvi, e consequentemente eu não estaria "vivendo" esta experiência maravilhosa e única de superação, com conquistas e vitórias a cada novo dia.

Ah...e também certamente esse blog não existiria.

Percebe quantas coisas maravilhosas eu deixaria de viver/realizar?

Falando em "cadeira de rodas", eu comecei a usar... estreei a minha no Sábado passado, não para usar em casa e sim para SAIR para um compromisso...mas essa é uma outra história que contarei depois...aguarde...

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Bons Amigos sim...por que não?

Hoje vou contar a você um "capítulo" da minha vida, onde com certeza foi de um grande aprendizado.

Fui casada durante 8 anos, e a quase 10 sou divorciada.

Aqui dou o meu testemunho de que, quando deixamos as mágoas e os ressentimentos "se irem" junto com o término de um relacionamento (no meu caso - casamento), depois de haver passado a nossa "turbulência mental", começamos a nos dar conta de que tudo foi na verdade um Grande Aprendizado que o Universo nos enviou para o nosso aprimoramento e amadurecimento como seres humanos.

Eu e meu ex-marido somos bons amigos hoje, e torcemos pelo bem um do outro...


O sentimento que nutro por ele, além de um forte bem-querer fraterno, também sinto uma enorme gratidão, pois ele pacientemente me ajudou muito na fase inicial da minha reabilitação em 1998 (ainda éramos casados na época).


"É preciso primeiro NOS AMAR, para poder amar o outro".

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Seguindo o "fluxo" ...(Autoconhecimento)

Acredito que trabalhar o autoconhecimento desde o início, me fez estar bastante ciente e "aceitar" que a minha reabilitação seria de um longo e árduo trajeto, com muitos desafios e obstáculos a superar, mas também sempre me deu a certeza de que eu iria conseguir superá-las.

Sou bastante determinada, no entanto...não sou de desistir fácil! (risos)

Ter consciência de que, havia sim dias em que, por estar mais sensível tudo me paresse duplamente mais difícil, fez com que eu procurasse por um psicólogo para me certificar de que realmente estaria mais forte, segura e serena nessas ocasiões de maior sencibilidade.

Foi nesse momento que conheci o psicólogo Carlos R. Vieira, que além de ser um excelente profissional, também é um ser humano muito especial, que por tudo de bom o que ele é, facilmente se tornou um querido amigo.

Sou muito grata a Deus por eu sempre estar rodeada de “anjos em forma de gente”, começando pela minha família, e com certeza o Carlos também é um desses "Seres Iluminados".

Ao Carlos minha eterna Gratidão.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Depoimento de Carlos R. Vieira (Psicólogo)


"Falar da experiência de vida de Marisa, é falar da oportunidade maravilhosa que ela tem me proporcionado desde o momento em que a conheci.

Quando fui procurado por ela, as cirurgias já haviam sido realizadas. Se por um lado, demonstrava uma fragilidade física ainda acentuada, o mesmo não observei em relação às suas forças psíquicas.

Desde o início apresentava uma vontade de buscar a sua reabilitação (sempre com Perseverança, Otimismo e principalmente Paciência), que foi exemplar.

Foi inspiradora para a realização de um trabalho psicológico intitulado “Paciência a Ciência da Paz”.

Ela se propôs a dar um testemunho da alegria e disposição com que encarava pacientemente, cada passo de um processo moroso de forma amorosa, como uma benção poder continuar a sua trajetória de vida, transformando todas as dificuldades em entendimento de que: "se continuava a viver era por um motivo maior".

Por isso mesmo, não esmoreceu e foi descobrindo a cada vitória, por menor que fosse, uma razão a mais para continuar.

Tenho testemunhado momentos de belezas radiantes, durante todo este tempo em que estou tendo o privilégio de acompanhá-la.

Hoje é muito fácil, ao começarmos um diálogo com esta figura meiga e carinhosa, irmos nos distanciando de qualquer impressão pesarosa a seu respeito, pois em nenhum momento estaremos diante de uma vítima, e sim de um ser confiante de que "a Vontade Divina é Soberana, oferecendo-lhe esta oportunidade para favorecer o seu crescimento espiritual, dando-lhe em contrapartida tudo o que é necessário para ser uma vencedora".

Muitas vezes confessou-me: “Deus colocou diante de mim pessoas escolhidas a dedo para me acompanharem”, desde os seus familiares até os diversos profissionais, que fizeram ou ainda fazem parte do seu dia a dia.

Por tudo o que até agora pude aprender e apreender, neste contato constante com a minha querida amiga e irmã Marisa, só posso agradecer a Deus, por estar sendo abençoado mesmo que humildemente, em poder colaborar para escrever esta história de tão belas e singelas páginas de valorização da Vida, que com tanto brilho e alegria no olhar, no falar e no agir, esta mulher tem me ensinado.

Estaremos ainda juntos por muito tempo, já que também entendemos, que temos uma missão de comprometimento com o próximo, em compartilhar o que de melhor estamos podendo viver, conscientizando-o sobre as riquezas das potencialidades humanas.

Fiquem na Paz e até sempre."

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Possibilidades...fazendo "novas leituras"...

Hoje quero te contar a interpretação que dei a um dos “incontáveis” tombos que já levei por conta de uma das seqüelas que ficaram (a falta de equilíbrio).

Aconteceu na minha “fase dos tombos”, expressão que usei em uma das postagens anteriores.

Foi a alguns anos atrás quando eu estava começando a andar com a ajuda de um andador...


Eu me lembro bem do dia em que, para me exercitar com o andador, eu estava caminhando do meu quarto até a sala sozinha (uma distância de +/- uns 15~20 metros)...e quando “finalmente” cheguei lá...

Acho que a minha alegria e empolgação por ter conseguido "tamanha façanha" foi tanta, que inevitavelmente...PLOFT...caí com andador e tudo. (risos)

E acredite... bem em cima de um vaso de lindas flores, que apenas a momentos atrás tinha sido colocado ali, você consegue imaginar a cena? (risos)

Todas as noites antes de dormir, costumo fazer uma retrospecção das coisas que me aconteceram durante o dia...e naquele dia não foi diferente.

Fazendo uma leitura positiva do "fato acontecido", rapidamente cheguei a conclusão de que o tombo poderia ter tido graves conseqüências - mas não teve  que bom! "graças a Deus" -,  pois da maneira como caí, apesar das dores, posso dizer que foi muita “sorte”, eu não ter fraturado nenhum osso, ou até mesmo não ter batido com a cabeça na "ponta" de um móvel que estava bem perto do local onde caí.

E as flores então...coitadas (risos), foram elas que me serviram de “almofada”, suavizando a queda, sendo que caí sentada bem em cima do vaso.

Minha interpretação daquele fato:

Foi uma oportunidade ... que por benção de Deus, chegou até a mim para que eu tivesse a possibilidade de desenvolver a virtude da GRATIDÃO

"Quando aceitamos as situações do dia-a-dia encarando-as como aprendizados, conseqüentemente estaremos crescendo e evoluindo como seres humanos".

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Isto Tudo Passará! (Reflexão)

"Todas as coisas na Terra, passam...
Os dias de dificuldades, passarão...
Passarão também os dias de amargura e solidão...
As dores e lágrimas passarão...
As frustações que nos fazem chorar... um dia passarão...
A "saudade que dói" pelo ser querido que se vai na mão da morte, esteja certo(a) que também passará...

Os dias de glória e triunfos, em que (erroneamente) nos julgamos maiores e melhores que os outros... igualmente passarão...
Essa vaidade interna que nos faz sentir como o centro do Universo, um dia passará...

Dias de tristezas...Dias de felicidades...são lições necessárias, que na Terra passam deixando no Espírito Imortal as experiências acumuladas.

Se hoje, para nós é um desses dias de amargura, paremos um instante. Elevemos o pensamento ao Alto e busquemos a voz suave da "Mãe Amorosa" a nos dizer carinhosamente: Isto também passará...

E guardemos a certeza, pelas próprias dificuldades já superadas, que não há mal que dure para sempre.

O Planeta Terra, semelhante a enorme embarcação, às vezes parece que vai soçobrar diante das turbulências de gigantescas ondas...

Façamos a nossa parte o melhor que pudermos, sem esmorecimento e confiemos em Deus, aproveitando cada segundo, cada minuto que, por certo...também passarão..."

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

À minha querida irmã...

                                    (Beth e seu marido Yen)

Hoje quero tentar expressar em palavras (o que é muito difícil) um pouquinho da ENORME gratidão e amor que sinto por essa “pessoinha” muito especial, iluminada, querida por todos que a conhecem, uma excelente ceramista e que tenho a alegria de tê-la como minha irmã, Beth Yen.

Sou-lhe eternamente grata, por ter me ensinado tanto, por ter me agüentado na minha fase da... “aborrescência” (risos), por ela se responsabilizar (junto com o seu marido Yen "a quem eu tenho muito respeito e consideração") por tomar todas as providências burocráticas necessárias no hospital em todo o período em que eu estive internada em 1998, e por tantas outras coisas... 

Apesar da minha sobrinha (filha dela) ainda ser pequena com apenas 5 aninhos na época, minha irmã não mediu esforços para que eu jamais me sentisse só ou desamparada no hospital.

Tive a Grande Bênção de fazer parte de uma família maravilhosa, que me proporcionou uma “base” bastante correta, uma educação regada de bons exemplos e muito unida.

Te Amo demais minha irmã, e muito obrigada por tudo, tudo, tudo...

domingo, 2 de novembro de 2008

Depoimento de Beth Yen, irmã.


"Quando a Marisa foi internada, nunca imaginei que iria passar por momentos tão delicados. Uma fase da minha vida que não gostaria nem de lembrar... A minha maior preocupação era de pensar se a Marisa estava sentindo dores, pois estava cheia de mangueirinhas pelo corpo e não conseguia falar nada.

Mas os médicos me tranqüilizavam dizendo que - paciente neste estado nada sofre -, mas eu tinha minhas dúvidas. Num ato de desespero cheguei a brigar com Deus e perguntar: " por que a Marisa está passando por um momento de tanto sofrimento?"

Eu não podia perder a esperança! Tinha que acreditar que tudo ficaria bem novamente. Um dia vi que ela podia mexer um dedo e piscar os olhos! Assim começava a nossa comunicação: ela respondia as minhas perguntas apertando a minha mão ou piscando os olhos.

A vida continuava com uma nova rotina, sem muitas certezas, a família toda naquela tensão sem palavras, apenas aguardando um dia melhor com boas notícias. Eu agradecia a Deus todos os dias, pois todos os dias tinham visitas para ela, trazendo carinho e boas energias, pois muitos internos em diferentes condições nunca recebiam visitas.

Depois de quase dois meses a Marisa não via a hora de ir para a casa, nos últimos dias de internação foi difícil controlar a ansiedade dela! Todo cuidado era pouco: dependia da sonda e como ela estava muito fragilizada não conseguia caminhar e nem se alimentar sozinha . Mas a vontade dela era uma só: a de voltar para a casa. Os novos desafios eram a recuperação da voz, dos movimentos e voltar a andar.

Dois anos mais tarde, recuperada e de volta ao trabalho, os médicos indicaram a terceira cirurgia. Desta vez ficaram seqüelas mais graves, a vida da Marisa mudou. Teve que deixar o trabalho e pensar apenas na recuperação.

Parece que foi ontem, mas dez anos se passaram... e eu diria que a vida nos ensina todos os dias.
E com a Marisa aprendi o que é determinação e coragem, pois mesmo com as limitações e de todas as mudanças que lhe foram impostas nunca desanimou, pelo contrário foi em busca do fortalecimento espiritual - onde trabalha a paciência, a tolerância e principalmente a superação.

Tornou-se uma pessoa mais forte do que nunca.

Este é o resumo de um capítulo da minha vida, por onde passaram tantos "anjos". Não posso deixar de agradecer o Dr. Salvador (médico neurologista), às assistentes sociais (do Hospital Santa Isabel e da Santa Casa de Misericórdia), à Matiko, a todos os amigos (em especial a Cristiane Ishibashi que me ajudou todos os dias e cuidava da minha filha enquanto eu ia para o hospital visitar a Marisa).

Mas é importante que você que está lendo este depoimento AGORA, saiba que a família toda, sempre muito unida em todos os momentos, foi a condição essencial para que Marisa sentisse de onde poderia extrair forças e continuar conosco, ser a nossa vitória!"